Em consequência da urbanização, que hoje está cada vez mais acelerada, surge uma série de desequilíbrios entre as necessidades da população e a capacidade da gestão pública de promover um desenvolvimento ordenado e sustentável nos centros urbanos. Cidades ao redor do mundo, que recebem o título de smart cities (cidades inteligentes, na tradução livre), vêm apostado em soluções para melhorar a qualidade de vida das pessoas. De acordo com o Cities in Motion Index, do IESE Business School na Espanha, 10 dimensões indicam o nível de inteligência de uma cidade: governança, administração pública, planejamento urbano, tecnologia, o meio-ambiente, conexões internacionais, coesão social, capital humano e a economia.

Barcelona, por exemplo, conta com 22 programas de gestão inteligente, entre elas: pontos de ônibus que são conectados à rede de fibra óptica e a disponibilização de pontos gratuitos de wi-fi. Outro exemplo é a cidade espanhola Santander, que adotou iniciativas como: uso de mais de 200 sensores instalados sob o asfalto nas entradas do município para medir a intensidade do tráfego. Além disso, painéis que informam o motorista sobre a disponibilidade de estacionamento na região.

Nos dias 21 e 22 de março, aconteceu na capital paranaense a segunda edição do evento: “Smart City Expo Curitiba”. O congresso, que é voltado para as empresas, pesquisadores e representantes mundiais, tem como foco a apresentação de ideias relacionadas aos conceitos de cidades inteligentes e soluções mundiais que estão contribuindo para o desenvolvimento da população. A exposição dá aos participantes a oportunidade de conhecer, apresentar projetos e novas tecnologias que se integram no ecossistema de uma cidade inteligente.

Outro fator importante para o desenvolvimento e a qualidade de uma cidade, é o benefício e a eficiência energética das construções, que pode ajudar a aliviar muitos dos desafios que as cidades enfrentam, das mudanças climáticas aos problemas de saúde pública. Uma das vantagens que as construções verdes oferecem é o excelente custo-benefício para ajudar a reduzir as emissões de gases do efeito estufa.

Atualmente, o Brasil é o 4º país no ranking mundial de edificações certificadas como sustentáveis (certificação LEED – Leadership in Energy and Environmental Design). O Paraná também se destaca sendo o 5º estado com maior geração de energia fotovoltaica do país. Em 2018, o estado registrou duas mil edificações em micro e mini geração de energia, sendo 300 na capital e região metropolitana de Curitiba.

Localizado no bairro Cabral da capital paranaense, o Arbo Cabral conquistou em dezembro a certificação GBC Condomínio Brasil em etapa de projeto, o que comprova a preocupação com o meio ambiente em todo seu processo construtivo e resultados que chegam em 30% de economia de energia, 27% de redução no consumo de água, gerando custos operacionais mais baixos. Agora, o Arbo segue para a certificação final, na qual consolida o selo após a entrega da obra para seus moradores.

Para mais informações, visite o nosso Stand de Vendas, Rua São Pedro, 84.

 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *